Receba dicas grátis!

Mercado da terceira idade se adapta e cresce na pandemia

De cartilha anticoronavírus à inclusão digital, mercado se movimenta para atender a alta demanda nesse período

Idosos já correspondem a 14% da população brasileira e número será maior do que de jovens até 2060

 

A terceira idade no Brasil

O brasileiro vive mais e, para além do presente, essa longevidade se consolida em números a longo prazo. De acordo com dados do IBGE, o Brasil tem 29,6 milhões de pessoas acima de 60 anos. Isso  corresponde a mais 14,3% da nossa população, número que aumentou 18,8% nos últimos quatro anos. Até 2050, a terceira idade representará 30% dos brasileiros e, em 2060, o percentual será maior do que de jovens. Esse cenário colocou os idosos no radar de novos negócios, que oferecem diversas opções de produtos e serviços para esse consumidor, em especial, nas áreas de saúde e bem-estar.

Para o especialista em franchising Claudio Tieghi, da Kick Off Consultores, o mercado de produtos e serviços para idosos é recente, porém já de grande importância para a realidade da economia brasileira, acompanhando o fenômeno mundial de envelhecimento das populações. Ele lembra que 50% do consumo global é gerado por pessoas com idade acima de 50 anos e que, no Brasil, os idosos consomem R$ 1 trilhão por ano, o que equivale a 13,7% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2018.

– Produtos e serviços para idosos no franchising se tornaram mais expressivos no Brasil a partir dos anos 2000. Um exemplo claro são as redes de cuidadores e serviços especializados para idosos, considerado segmento já maduro à época nos Estados Unidos e na Europa.  Porém, o mercado, assim como o franchising, vem se adaptando na última década aos novos padrões do que considerávamos velhice. Pode-se notar na moda, no entretenimento, em cursos, alimentação, seguros, serviços, entre outros: O cliente está ficando jovem por mais tempo. É comum observar pais e filhos assumindo o mesmo estilo de vestir. Independente da idade,  frequentam a mesma academia, consomem produtos de higiene e beleza similares.

 

Soluções para superar os desafios da pandemia

A pandemia do novo coronavírus, no entanto, impôs uma nova realidade para a sociedade. Com ela, o desafio para o mercado de seguir atendendo uma demanda no grupo de risco. Além das expectativas da maioria, disparou nesse período.

Para Liana Segal, a idade é uma grande aliada. Ela inovou há mais de 20 anos ao criar o primeiro coworking dedicado exclusivamente aos profissionais da saúde, o Espaço Médico Brasil, no Rio de Janeiro. A pandemia veio, mas não assustou a empresária. Ela decidiu investir em tecnologia (telemedicina, sistema de marcações de consultas, call center, por exemplo) e na expansão do negócio.  O resultado foi a formatação da sua franquia.

“Com 61 anos e três netos”, como costuma dizer, a empreendedora atribui à experiência trazida pelo tempo o fator fundamental para conseguir encarar desafios como o de 2020 de forma tão destemida. “Comecei a minha vida empresarial com 27 anos, muito cedo. Por isso, sentia, muitas vezes, que a juventude não me trazia credibilidade. Hoje, adoro dizer a minha idade e ver que ela me empodera e autoriza minhas ações”, revela e completa: “Como mulher, mãe e avó, me vejo uma empreendedora mais amorosa nos negócios, com mais empatia, mas firme para atingir os objetivos”.

Sonhos não envelhecem

A empresária ressalta que os anos de vida não podem são fator de zona de conforto. Pelo contrário, servem como aprendizado na capacidade de mudar e crescer. “Sonhos não podem envelhecer, nem a capacidade de inovar, se renovar e crescer. Eles devem, sim, amadurecer até que se tornem realidade. E o tempo precisa ser visto e usado como um parceiro nesse processo”, conclui.

Adicionar comentário